top of page

Como a Psicologia pode lhe ajudar a desenvolver Habilidades Sociais?


Psicologia em Bangu

Consideramos como habilidade social a capacidade de empregar

comportamentos hábeis em situações específicas ao relacionar-se com outras

pessoas. A aprendizagem destes comportamentos envolve um processo

contínuo durante toda a vida, onde através de fontes importantes nos são

transmitidas normas, padrões, valores e crenças sobre nós mesmos e sobre os

personagens envolvidos em nossas interações. Desta forma, vamos

descobrindo e entendendo quais seriam os comportamentos mais adequados

para nos relacionarmos com cada grupo social (trabalho, escola, família,

amigos, etc) ou situação específica (falar em público, iniciar uma conversa com

estranho, interagir com “estranhos”, etc). As Habilidades Sociais envolvem

elementos comportamentais, cognitivos, afetivos e fisiológicos.

Dentro dos elementos comportamentais observam-se a capacidade de

expressar-se de forma verbal (falar de forma não avaliativa, utilizar perguntas

esclarecedoras, etc), não verbal (capacidade de manter contato visual,

proximidade adequada, utilizar de gesticulação, etc) e palinguístico (volume de

voz, entonação, velocidade e pausas adequadas). Sobre os elementos

cognitivos, podemos destacar a capacidade de utilizar conhecimentos prévios

em situações novas, conseguir realizar leitura do ambiente, capacidade de

resolução de problemas, ter uma boa auto-observação, assim como as

expectativas e crenças. Em relação aos elementos afetivos podemos ser

influenciados pela predisposição de experimentar compaixão, preocupação ou

consideração com o bem-estar do outro. Nossa capacidade de emitir

comportamentos habilidosos também pode estar relacionada a elementos

fisiológicos como a arritmia cardíaca, pressão sanguínea, fluxo sanguíneo e a

própria forma como respiramos. Esses elementos podem facilitar ou atrapalhar

o desenvolvimento de habilidades sociais.

As principais habilidades sociais envolvem:

Comunicação

Capacidade de fazer e responder perguntas; elogiar; pedir e dar feedback;

iniciar, manter e encerrar conversas, etc.

Assertividade

Capacidade de defender e exercer direitos, ser tratado com respeito, mudar de

opinião, etc.

Empatia

Capacidade de falar sem avaliar o outro, perguntar de forma esclarecedora,

manter contato visual, postura, proximidade, gesticulação, controle do volume

de voz, entonação, etc.

Civilidade

Capacidade de apresentar-se; cumprimentar; despedir-se e agradecer; usar

formas mais delicadas (por favor, obrigado).

Trabalho

Capacidade de falar em público, coordenar equipes, tomar decisões, resolver

problemas, mediar conflitos.

Expressar Sentimentos Positivos

Capacidade de fazer amizades, cultivar o amor, ser solidário, etc.

Expressão Educativa

Transmitir conhecimento ou conteúdo, avaliar atividades, apresentar atividades

educativas, etc.

Podemos observar que de certa forma todos em maior ou menor escala

apresentam inabilidades sociais. Mas apesar de nem sempre afetarem

diretamente nossas vidas, vale ressaltar que na ausência de comportamentos

habilidosos torna-se comum o emprego de estratégias desadaptativas para

relacionar-se com o mundo. Não é difícil ouvirmos histórias de estudantes que

não concluíram ou demoraram a concluir cursos de graduação por medo de

falar em público, pessoas que iniciaram o uso de álcool e outras drogas para

sentir-se mais desinibido ou sentir-se pertencendo a algum grupo, outros que

evitam lugares onde acreditam que não irão se comportar de forma adequada,

pessoas que não conseguem dizer não, ou mesmo pedir o tão desejado

aumento. Essas estratégias de fuga e compensação são bastante comuns e

vão nos tornando cada vez mais vulneráveis em situações cotidianas,

desenvolvendo assim padrões de comportamentos que trazem prejuízos

psicológicos e sociais. Em doenças como a depressão, capazes de gerar

grande desmotivação, afetam direta ou indiretamente as relações sociais, uma

vez que nossa auto avaliação e o empobrecimento de interações reforçam as

crenças relacionadas a própria doença. A capacidade de ser assertivo, por

exemplo, pode estar relacionada ao posicionamento de uma auto imagem

positiva e o fato de não ser assertivo pode aumentar o grau de ansiedade.

Sabemos também que o déficit de habilidades sociais tem um importante papel

em quadros como a fobia social, alcoolismo e dependência de outras drogas.

Sobretudo, independente do déficit de habilidade social estar

relacionado a algum quadro psiquiátrico, entendemos que o fator determinante

para buscar ajuda é o impacto negativo gerado na vida do indivíduo.

A Aliança Espaço Terapêutico, oferece tratamento qualificado com psicólogos em Bangu, temos certeza que podemos lhe ajudar. Entre em contato e agende uma consulta.

53 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page