top of page

Tudo que você precisa saber sobre a alienação parental

Atualizado: 14 de mar. de 2023


Passar por um divórcio pode ser estressante. Com crianças, os problemas familiares podem tornar-se difíceis de controlar, e às vezes, as emoções podem assumir o controle. Quando as tensões são altas e descontroladas, você pode estar lidando com um problema que os psicólogos chamam de "alienação parental". Conheça tudo que você precisa saber sobre alienação parental.


A alienação parental, em poucas palavras, é quando um pai tentar colocar um filho contra o outro durante ou após um divórcio. Normalmente, isso acontece quando os pais sentem ressentimento, raiva ou amargura em relação ao excônjuge e influencia o filho a sentir e comportar-se da mesma maneira. Como você pode ver, isso é injusto e prejudicial para todos os envolvidos, além de potencialmente causar efeitos psicológicos no pai e na criança.


O que é alienação parental?

A psicologia descreve a alienação parental como a tentativa de denegrir a imagem de um dos pais com relação à criança (alvo), geralmente causando conflito. Possíveis sinais de alienação parental:

• Conversa negativa sobre o outro pai

• Impedir que a criança veja o outro pai

• Dizer a criança que o outro pai é um pai terrível

• Culpar o outro pai pelo divórcio

• Um pai nega ao outro pai acesso a registros médicos ou escolares

• A criança começa a agir anormalmente desconfortável ou rebelde em torno do outro pai


Você é vítima da alienação parental?

Se você sentir que é vítima de alienação parental, deve procurar um psicólogo para ajudar a lidar melhor com isso. No entanto, existem alguns sinais de alerta que todos os pais devem estar cientes.


Seu filho parece estar do "lado" do outro pai. Seu filho pode começar a internalizar qualquer conversa negativa do seu ex-cônjuge. O comportamento hostil ou raivoso do seu filho em relação a você pode ser um sintoma de que o outro pai do seu filho está influenciando negativamente o comportamento dele.


Se o seu filho começar a discutir suas decisões é outro sinal de alienação parental, isso pode fazer com que a sua autoridade parental seja minada. Quando você constantemente começa a ouvir coisas como: "mamãe me deixa fazer assim" ou "papai diz que isso é melhor", pode haver um problema maior em jogo.


Você não pode visitar o seu filho. Os pais podem continuamente dar desculpas ou recusar-se a deixar você ver seu filho durante o horário marcado pelo tribunal. O não cumprimento de uma ordem é contra a lei e também pode definir o cenário para que a criança sinta-se desconfortável em visitá-lo no futuro.


Seu filho tem muitas informações sobre assuntos delicados. Seu ex-cônjuge não deve discutir detalhes do seu divórcio ou qualquer infidelidade ou abuso que levou ao rompimento do relacionamento. Detalhes como esse podem interferir no relacionamento entre o outro pai e o filho.


Reconhecer uma possível alienação parental, diagnosticá-la corretamente e fornecer tratamento para esse fenômeno pode ser um desafio a ponto de muitos, se não a maioria dos profissionais de saúde mental entenderem errado. Reconhecida pela primeira vez na década de 1980, pelo psiquiatra infantil Dr. Richard A. Gardner, a alienação parental ocorre quando um pai alienante vira uma criança contra um pai (alienado) alvo através de insinuações depreciativas (geralmente baseadas em projeção), xingamentos (“ele é um idiota”).


Filhos alienados tendem a repetir as visões excessivamente negativas dos pais alienantes sobre o pai visado, expressando-as como suas próprias. Gardner detalhou critérios para distinguir entre alienações leves, moderadas e graves. O resultado é uma hostilidade injustificada da criança (alienação leve), resistência ao tempo dos pais (alienação moderada) e separação do contato (alienação grave) com o pai alvo.


Três níveis de alienação parental:

Alienação parental leve: refere-se aos casos em que a criança opõe-se e critica o pai alvo, mas ainda desfruta da presença do pai alvo de vez em quando ou quando o local não está próximo do pai alienante.

Alienação parental moderada: as crianças geralmente acompanham o pai alvo após expressar e demonstrar relutância significativa. Além disso, crianças moderadamente alienadas expressam sentimentos negativos consistentes em relação ao pai alvo, independentemente do pai alienante estar presente ou não. Embora essas crianças possam aproveitar o tempo que gastam com o pai alvo, elas não admitem isso na presença do pai alienante.

Alienação parental grave: os casos graves de alienação são diferenciados dos casos leves e moderados pela extensão da rejeição da criança e pelo grau de negatividade nas atitudes e no comportamento em relação ao pai alvo. Filhos severamente alienados têm pouco ou nada de positivo a dizer sobre o pai alvo e geralmente reescrevem o histórico de seu relacionamento com o pai alvo. Eles parecem satisfeitos em evitar todo contato com o pai alvo e podem rejeitar uma boa parte da família do pai alto.


A Aliança Espaço Terapêutico conta com psicólogos qualificados no tratamento da alienação parental e vários outros transtornos. Nosso consultório fica localizado em Bangu e temos total infraestrutura para melhor atendê-lo.



 

Leia sobre:



Acesse nossas redes Sociais:

169 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page